19 de jun de 2010

Hangar: heavy predomina em show de Curitiba

Quem esperava uma predominância das músicas mais leves do Hangar, em show realizado no último dia 18, no Hangar Bar, se surpreendeu. As sete primeiras músicas mesclaram só as mais pesadas do último CD da banda, o “Infallible”, com trabalhos de outros álbuns, como a música “Captivity” e “To tame a land”. Nessa primeira parte do show, uma novidade: os curitibanos puderam conferir a música “Handwritten”, tocada ao vivo pela primeira vez, segundo o vocalista Humberto Sobrinho.

O batera Aquiles Priester (ex-Angra) mostrou porque vem sendo considerado um dos melhores bateristas do país. Mas quem achava que a banda se resumia ao batera se engana. Enquanto Priester se acabava na bateria, abusando de pedais duplos, viradas e quebras de ritmo, Eduardo Martinez (guitarra), Nando Mello (baixo), Fabio Laguna (Teclados) se mostravam excelentes músicos. Faltaram as apresentações solos de cada uma dos músicos para que o público pudesse apreciar melhor esse virtuosismo. Fica a dica.

A voz e a performance de Humberto casaram bem com o power metal do hangar e dá sinais de que o frontman ideal finalmente foi encontrado. Aliado a isso, a banda trouxe uma estrutura muito profissional, sobretudo na aparelhagem de som, que com exceção da voz nas primeiras músicas, estava impecável.

Após a subida ao palco do compositor Theo Vieira, que assina alguns trabalhos do Hangar, o show deu uma desacelerada. Com músicas como “Time to Forget” e “Dreaming of black waves”, a banda satisfez o desejo de alguns, mas desagradou os fãs mais antigos. Durante a saída do palco de Theo, alguém da plateia pediu para que a banda voltasse a tocar heavy metal. De trás da enorme bateria, Priester retrucou: “Isso aqui não é festinha pra tocar o que você quer, meu amigo. Nós somos o Hangar, porra!”. O público, sem esboçar reação, pareceu não ter entendido o que ocorreu.

A porradaria foi retomada com um cover de “Rainbow in the dark”, em uma homenagem a Ronnie James Dio, e com músicas do álbum “The reason of your conviction”, um dos mais pesados da discografia da banda, e de “Inside your soul”. Por fim, o Hangar fechou com um cover de Metallica.

Abertura

Antes do show começar, três guitarristas curitibanos se apresentaram em solo, no palco do Hangar. Problemas no retorno dificultaram a apresentação de Pablo Parra, que trouxe riffs de músicas da banda Kattah, da qual faz parte. O experiente Airton Mann (Mr. Mann e Hexafônicos) solou ao estilo hard com muita qualidade. Agradável surpresa o “piá” Willian Matheus (Sutura e Deliver). Com um playback heavy, ele pôde mostrar solos, abusando das two hands.

Confira setlist do Hangar:
The Infallible emperor (1956)
Some light to find my way
Colorblind
Captivity
Handwritten
Forgive the Pain
A Miracle in My Life
To tame a land
Time to forget
Solitary Mind
Based on a true story
Dreaming of black waves
Call me in the name of death
Rainbow in the dark (Dio)
One more chance
Hastiness
Inside your soul
Troyc
Master of the puppets (Metallica)

8 comentários:

Anônimo disse...

Apenas algumas pequenas correções, quando o Aquiles respondeu (dizendo que se o cara quisesse poderia subir lá e fazer um Heavy Metal melhor), o público lá embaixo entendeu sim o que tinha acontecido, tanto que ainda vaiaram a pessoa. E o cara que disse algo lá embaixo, não falou por ser fã antigo não... falou pra querer aparecer, porque os fãs não ficaram desapontados não, muito pelo contrário, foi um show ótimo!

Anônimo disse...

Na verdade o que o Aquiles falou foi que eles estavam lá pelos fãs do Hangar e não por causa de festinhas como o cara que quis aparecer falando merda

Guilherme Carvalho disse...

o show foi muito bom. no review publicamos só um trecho da fala do aquiles. valeu o recado acima.

Anônimo disse...

faço das palavras do cara alih de cima, as minhas.
todo mundo entendeu sim o que tava acontecendo e realmente vaiamos! pelo menos nos que estavamos na frente

Guilherme Carvalho disse...

o aquiles escreveu pra gente sobre o fato: http://arquivometalcwb.blogspot.com/2010/06/aquiles-priester-explica.html

AlexW disse...

Realmente foi um grande show! Como citado no texto, o desempenho dos músicos foi excelente, e a estrutura garantiu o ótimo show.

Mas pelas matérias que já vi publicadas antes neste blog, esperava uma review melhor fundamentada e imparcial. Afirmar que "...a banda satisfez o desejo de alguns, mas desagradou os fãs mais antigos" é bem audacioso, mas não é relatado como um fato.

Sinceramente, eu sou um fã bem antigo, e estava junto de muitos fãs também antigos - todos curtindo o show mesmo nestas músicas mais lentas. O fato de uma única pessoa (que sinceramente duvido que era fã da banda) decidir fazer uma provocação não fala por todos.

Alguém fez um comentário infeliz, recebeu resposta e também foi vaiado pelo público. Este é o fato... é decepcionante ver isto ganhar destaque numa review (sem mesmo relatar corretamente a resposta do Aquiles), quando eu que estava lá posso afirmar que a resposta do público foi extremamente positiva o show inteiro.

Guilherme Carvalho disse...

ok. alex. Respeito sua opinião e agradeço o comentário. Este blog é aberto a livre opinião de todos. Prova disso é que seu comentário ficará registrado e não será deletado. De qualquer forma, entendo que o review é sempre a expressão de um ponto de vista pessoal. Por isso, encaro como normal as discordâncias.

roG3 disse...

Esse show foi maravilhoso! Mto melhor que o Angra, no fim do ano passado...

Algem tem as fotos?

Postar um comentário