2 de dez de 2010

Review: Twisted Sister em Curitiba

Por Felipe Leite


Sexta feira dia 26/11 se apresentaria em Curitiba uma das maiores lendas do Hard n' Heavy do mundo. Uma das bandas que me levou ao metal e que eu me arrependia profundamente de ter perdido em 2009 mas que eu teria em minha cidade, dessa vez, a chance de me redimir e ver ao vivo pela primeira vez o Twisted Sister! Cheguei na fila do Curitiba Master Hall por volta das 19h. Por volta das 20:40 a casa abriu e lá pelas 21h o Motorocker subiu ao palco para iniciar o show de abertura. A banda que faz um rock n' roll simples e direto totalmente calcado em AC/DC com letras muito bem humoradas cresceu estrondosamente nos ultimos anos e atualmente divulga seu segundo disco "Rock na Veia". O show empolgou muito o público curitibano e foram apresentadas várias músicas já conhecidas do público como “Igreja Universal do Reino do Rock”, “Salve a Malária”, “Vamo Vamo”, dentre outras que foram cantadas por uma boa parcela do público presente. Um show sempre muito divertido de se conferir!

O Motorocoker encerrou sua apresentação pouco antes das 22h quando começaram os preparativos para o show do Twisted Sister. A anciedade já era grande a essa altura do campeonato!

As 23h em ponto Dee Snider (V), J.J. French (G), Eddie ‘Fingers’ Ojeda (G), Mark ‘The Animal’ Mendonza (B) e A.J. Pero (D) iniciam sua apresentação com a clássica e sempre perfeita para a abertura “What You Don’t Know (Sure Can Hurt You)”, faixa que abre o debut da banda “Under the Blade” (1982).
Na primeira canção já deu para notar que o som da casa estava muito bom e talvez tenha sido um dos melhores sons que eu já tenha presenciado no Curitiba Máster Hall.

“The Kids Are Back” veio logo em seguida com Dee Snider correndo e se movimentando de um lado para outro do palco sem parecer cansar um minuto. Em seguida vieram duas canções do clássico álbum “Stay Hungry” (1984), a pesadíssima faixa título e a primeira parte da canção “Horror Teria” intitulada “Captain Howdy”.
Em todos os momentos Dee Snider se comunicava com o público entre e também durante as músicas, mostrando que já tinha esse público nas mãos e que havia uma grande sintonia entre público e banda, caracaterística sempre marcante nos shows do Twisted Sister.

Foram executados outros clássicos indispensáveis como “You Can’t Stop Rock and Roll”, a animadíssima “Shoot and Down” e “The Fire Still Burns” que tiveram seus refrões cantados em uníssono por boa parte das pessoas presentes naquela noite. Começa então uma das intros de bateria mais famosas da história do rock n roll. Era a vez do hino “We’re Not Gonna Take It”! Não poderia ter sido diferente, o Master Hall inteiro pulou e berrou a plenos pulmões a letra inteira do clássico. Ao final da música a banda, como de praxe, parou a música e retornou para que o público cantasse o refrão novamente.

“I Believe in Rock and Roll” e “I’m Am (I’m Me)” foram tocadas em sequência. Houve também espaço para um solo de bateria de A.J. Pero.

Outro clássico indispensável, a violenta “Under the Blade”, também foi executada com vários headbangers bangueando naquela que talvez seja uma das músicas mais ‘heavy metal’ do grupo. Particularmente, música que mais gostei no show!

Dee Snider parecia não cansar em nenhum momento e manteve sua presença de palco constante durante toda a apresentação, correndo de um lado para o outro e cantando muito com seus colegas de banda mantendo também uma excelente postura com Mark “The Animal” Mendonza socando o baixo, Eddie e J.J. Frenche se movimentando e indo em direção ao público durante todos os solos.

A balada “The Price” com vários isqueiros e celulares iluminando o local que teve parte de suas luzes apagadas a pedido do vocalista e “Burn in Hell” com Dee Snider cantando ajoelhado coberto por luzes vermelhas foram também cantadas em uníssono pelo público presente.

Outro hino, “I Wanna Rock”, faz com que todos os presentes na pista pulem juntos cantando a letra da música antes mesmo de Dee Snider entrar. Na ocasião o mesmo ainda brincou: “okey, agora vocês me deixam cantar?”. O frontman conseguiu sem problemas tirar do público, repetidas vezes, o fácil refrão e ao final da canção a banda faz a mesma coisa que havia feito em “We’re not Gonna Take it”, parar a música para depois voltar com o público cantando e eis que nesse momento o público presente no Master Hall começa a cantar um “olê olê olé olê...Twisted Twisted” muito bem respondido pelo frontman que canta em resposta um desengonçado “olê olê olé olê...Curitiba Curitiba”.

Após “I Wanna Rock” a banda sai do palco e volta para o encore com “Come Out and Play” e “S.M.F.”, como de costume, sempre a última música dos shows dos norte-americanos.

Um dos melhores shows que já assisti! Banda afiadíssima, público afiadíssimo, som bem regulado e nada de atrasos. 


Setlist
What You don't Know (Sure can Hurt You)
The Kids Are Back
Stay Hungry
Captain Houndy
Shoot And Down
Fire Still Burns
You Can't Stop Rock and Roll
We're Not Gonna Take It
I Believe in Rock n' Roll
I Am I'm Me
Drum Solo
Under the Blade
The Price
Burn In Hell
I Wanna Rock
Come Out And Play
SMF

Nenhum comentário:

Postar um comentário