2 de fev de 2011

Da gélida Suécia para o calor do Brasil: Germán Pascual

Por Vergil Choinski e Robson Maiocchi

Em uma sexta-feira (28/01) chuvosa e despretensiosa, o último vocalista da já extinta banda Narnia, Germán Pascual, seria a estrela da noite. Nessa constelação ainda teríamos como bandas de apoio: Efrata, Celso de Freyn, Never Die e Deliver. No percurso até a cidade de Curitiba aconteceram alguns contratempos, fazendo com que o show fosse atrasado em mais de 3 horas, mas nada que tirasse o brilho da noite. Não esquecendo que a banda Cameratta Maxima abriu mão de tocar em favor ao curtíssimo tempo que restava para o restante das apresentações. Confira a seguir a resenha:

Efrata:

A banda subiu ao palco às 23h30min, depois de muita espera por parte do público. Apesar dos pesares, o público parecia estar bem animado.
Pra começar a banda mandou um cover clássico do Stryper, “To Hell With The Devil”, que, diga-se de passagem, foi executado com maestria. O setlist seguiu com as músicas Growing Time, Light Your Eyes, Take My Heart Again e Led By The Spirit. Como ponto positivo na execução, podemos destacar a atuação do vocalista convidado Gil Lopes (Menahem), o qual cantou muito bem.

Celso de Freyn:

Celso de Freyn talvez passe despercebido entre a maioria das pessoas, mas basta dizer que ele foi vocalista do lendário grupo catarinense Stauros. Sua apresentação foi curta, mas — mesmo assim — atraiu a atenção de todo o público com seu carisma e pela excelente técnica vocal.
O setlist consistiu em Viagem para o céu, The System is Dead e a famosíssima Toda Dor (Stauros).

Never Die:

Never Die apresentou um Death Metal coeso e bem tocado (estilo que até então não tinha sido apresentado na noite). As músicas executadas foram agitadas ao extremo, isso com ajuda da presença de palco banda, motivando o público a cantar em uníssono.
O setlist apresentado continha vários covers, entre eles: Through Struggle (As I Lay Dying), 666 Corporation (Trino) e Not my Own (Living Sacrifice), além das músicas autorais Sangue Imaculado, Exército de Deus, Habacuque 1, Ídolos Malditos e Vitória na Cruz.

Deliver:

A apresentação do Deliver foi marcada por alguns problemas no som, não impedindo a banda de mostrar pelo o que é realmente conhecida, a técnica inigualável do baixista Elias Vasconcellos, que simplesmente se superou na última música, um medley das músicas Túnel de Dor, 103 – Lúcifer Rideti e novo Lar.
As outras músicas foram: Gods, The Second Death, The Last Chance, Pit for the Angels e The Windows of Evil Spirits.

Germán Pascual:

Às 2h30min, Germán entrou no palco esbanjando empolgação, com sua presença de palco ímpar. Quem o conhece sabe quanto o cantor utiliza exageradamente de agudos. Nessa apresentação não foi diferente, fazendo tudo isso com maestria e sem enjoar o pequeno contingente de pessoas que ainda se encontrava no Hangar. A despeito do vocalista, a banda de apoio tocou muito bem também, utilizando de solos em várias partes do show.
Seguindo a linha da noite, o setlist foi reduzido, contando com oito músicas: Into This Game, Rain, Scared, Sail Around the World, Seek the Truth, Awakening, Living Water e como não poderia deixar de ser, um clássico de sua ex-banda, Nárnia: Long Live the King.
Acabava assim uma noite que agradou todos os admiradores da música cristã presentes no Hangar.

Um comentário:

Guilherme Carvalho disse...

parabens vergil e rob pelo review. ta bem escrito

Postar um comentário