15 de abr de 2011

Dirty Rotten Imbeciles destruindo o Hangar Bar!

fotos por: Vito Cuneo

Quarta-Feira, 13 de abril de 2011. Dia em que se apresentaria a maior lenda do Crossover mundial, o Dirty Rotten Imbeciles (ou simlpismente D.R.I.). A banda oriunda do Texas (e que depois migraria para o estado da Califórnia se juntando à cena da costa oeste ao lado de lendas como Dark Angel, Metallica, Slayer, Exodus e Vio-Lence) ficou responsável por ser uma das pioneiras do chamado Crossover, gênero que une o Punk/Hard Core ao Thrash Metal e gravou clássicos como “Dirty Rotten LP”, “Dealing With It”, “Crossover”, “4 of a Kind” e “Thrash Zone”.

Chegando ao Hangar Bar por volta das 20h, hora prevista para a abertura da casa, já notava-se a grande movimentação na frente do bar com várias pessoas trajando calças justas,tênis branco e bonés de aba levantada e, apesar de ser uma quarta feira, já notava-se que o público presente naquela noite seria grande.

Devido alguns contratempos, ocorreu um atraso na abertura dacasa e por volta das 20:30 o D.R.I. ainda passavam o som e de fora era possível escutara banda esboçando alguns de seus clássicos. Eis que após uma longa espera os portões se abrem e o público (já grande) arma uma fila para entrar.
A banda responsável por abrir o evento foi a curitibana e já bem conhecida do público hard core e metal, Javalis do Pântano. A banda executou músicas como "Bronha", "Javali", "Noruega" e vale a pena sem
pre ressaltar ótima presença de Dimas (vocal), sempre interagindo com o público de forma muito bem humorada e bem como seus companheiros de banda fazendo o público se animar e se quebrar ou bater cabeça em vários momentos do show.

Merecem destaque também "Evolução" e "Pântano", que encerraram a apresentação os Javalis arrancando aplausos do público (que ainda guardava energias para o D.R.I.). Como sempre, muito bom ver o Javalis ao vivo.

Set List

Bronha
Javali
MMPRHC
Noruega
Bom de Copo
Coração Gelado
Evolução
Pântano

Rolou uma pausa para que o palco fosse arrumado, e após algumas cervejas eis que começa a apresentação dos texanos do Dirty Rotten Imbeciles com a clássica “Beneath the Wheel” do clássico "Thrash Zone" (1989) seguida de "Snap" e "I'd Rather Be Sleeping" ambas do segundo álbum da banda, o também clássico "Dealing With It" (1985) com uma pegada muito mais Hard Core/Punk.

Já no começo notava-se a grande empolgação do público que formou uma roda de pogo que tomava conta de quase toda a pista do hangar. A todo momento bangers, punks e hard cores subiam no palco e davam stage dives seguidos um atrás do outro já que, para a felicidade de todos, os mesmos não foram proibidos no evento pelos seguranças (como é de praxe em shows de porte maior). O show seguiu com clássicos sendo emendados um atrás do outro com alguns poucos momentos em que a banda parava para tomar um fôlego e conversar com o público.

"Acid Rain" (outro clássico, dessa vez do disco "Definition" de 1992) e após uma pequena pausa, The Application, How to Act, Do the Dream, "Commuter Man" e "Thrashard" foram mandadas uma atrás da outra mostrando que o set list da banda ainda ia se estender muito e abranger todos os discos da carreira deles.

Destaque sempre para Kurt Brecht que manteve, durante todo o show, uma performance de palco impecável além de seu vocal bem único e característico que ficou marcado em todos os discos da banda. O outro integrante da formação remanescente, o guitarrista Spike Cassidy, embora fosse um pouco mais parado que os demais não deixou de agitar um minuto sequer. Outro grande destaque para o baixista Harald Oimoen que apesar de não ter gravado nenhum álbum de estúdio com a banda, caiu como uma luva e possui uma ótima presença, brincando e interagindo com o público a todo momento chegando inclusive, no meio do show, a descer do palco e tocar a música na pista ao lado público.

Dentre outros clássicos foram tocados "Who Am I", "Slumlord" (do disco 4 of a Kind de 1988), "Madman" e "Nursing Home Blues". Após essa última a banda realiza uma pausa e volta ao palco para o Encore excepcional com “Abduction”, “Hooked”, “Violent Pacification” e encerrarem em grande estilo com "Five Year Plan" do álbum "Crossover" (1987). Ao todo foram 34 músicas e que ainda deixaram a sensação de 'quero mais' em um dos melhores shows que já tive a oportunidade de assistir na cidade.

Nota 10 para o público, banda e produção que, mesmo com o atraso, conseguiu fazer aquele que será um sério candidato a melhor show de thrash metal do ano.

Set List

Beneath the Wheel
Snap
I'd Rather Be Sleeping
Problem Addict
Acid Rain
The Application
How to Act
Do the Dream
Commuter Man
Thrashard
Who Am I
Slumlord
Dead in a Ditch
Suit and Tie Guy
Madman
Couch Slouch
Equal People
Yes Ma'am
The Explorer
Karma
I'm The Liar
Probation
Argument Then War
Wages of Sin
Dry Heaves
I Don't Need Society
Soup Kitchen
A Coffin
Against Me
Nursing Home Blues
Encore:
Abduction
Hooked
Violent Pacification
Five Year Plan

3 comentários:

Anônimo disse...

Excelente post. O show foi fantastico. Eu havia visto na primeira vez que aqui estiveram, se nao me engano em 96 ou 97, e ja tinha sido ducaraleo. Só que o show nao teve um publico legal naquela epoca. Dessa vez o publico foi muito bom. Foi insanidade pura o tempo todo. Gostei do set list. Logico, faltaram musicas e sempre vao faltar. Eu, por exemplo, senti falta de YOU SAY I'M SCUM, HARDBALL, NO RELIGION ... enfim, mas o show foi do caraleo e que venham mais como este...

FICA 1 ABRAÇO

GUSTAFAH (TERRORZONE)

Vito Cuneo disse...

"um sério candidato a melhor show de thrash metal do ano."

Calma camarada, ainda temos Slayer aqui..

Guilherme Carvalho disse...

já tava arrependido de não ir no show. depois de ler este review, piorou. agora já era.

Postar um comentário