24 de out de 2011

Resenha: "First Lesson: Hate" do Cadela Maldita

Música para mosh e rodas de pogo. É isso que traz o Cadela Maldita com o novo CD “First Lesson: Hate”, o segundo da trajetória da banda que já tem quase 20 anos de estrada. Quem ouve o trabalho anterior, o álbum “Fight to Survive” (2006), percebe uma evolução técnica no material apresentado, principalmente na qualidade do áudio, porém, com a mesma pegada do que a banda já vinha fazendo.

Raul (guitarra e voz), Felipe (bateria), André (baixo) e Ricardo (guitarra) gravaram o CD no Clínica Pro Studio, em Curitiba, e contaram com a mixagem de Murillo da Rós. Já a masterização é de Brian Elliot, do estúdio estadunidense Mana Recording. O encarte traz a arte de Marcos René Steffens; uma fotografia de cabeças de boneca quebradas, que, se tinha alguma mensagem subliminar, não consegui decifrar.

O Cadela Maldita conserva uma sonoridade típica do Crossover dos anos 90. Ou seja, muito peso, regado a furiosas guitarras e vocal rasgado. Não gosto de comparar, mas para quem não conhece poder ter uma ideia, das bandas mainstream, o som lembra algo como Pantera e Motorhead. Dentre as marcas do som dos curitibanos está o timbre de guitarras, ligadas à execução de riff’s bem elaborados e bastante tupa-tupa. Bom para atiçar a curiosidade de quem quer vê-los tocar ao vivo, pois a porrada deve soar ainda mais potente.

As faixas “No hope for politicians”, “Castles made of blood” e “I lost my teeth in the circle pit” são excelentes cartões de visita da banda e se encaixam nesse perfil de som descrito acima. Além da sonoridade, é importante prestar atenção nos temas tratados nas letras das músicas. Questões recorrentes na mídia estão presentes na mensagem transmitida, demonstrando que a banda está ligada em questões atuais e que tem algo mais a apresentar além da boa música.

Destacam-se ainda os áudios inseridos nas aberturas das músicas “Pedophile priest”, onde um padre reza missa (sugerindo a hipocrisia nos casos de pedofilia na igreja católica), “Welcome Rio 2006”, no anúncio de que a cidade seria a sede dos jogos olímpicos de 2016, e em “Fucking new world”, na qual é possível perceber um teclado de computador sendo quebrado, após mensagens de erro do Windows. Esta última música traz na letra a dependência atual que a sociedade tem das novas tecnologias. Nesta mesma linha crítica, “Multimedia manipulations” alerta sobre a importância de desconfiar daquilo que os meios de comunicação divulgam. 

Parte do trabalho pode ser conferido pela internet, no myspace da banda (http://www.myspace.com/cadelamalditabr). Para conhecer mais sobre a história da banda e contatos para adquirir o novo CD, acesse: http://www.cadelamaldita.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário