29 de jul de 2012

Clássicos Revisitados - Suicidal Tendencies "Lights... Camera... Revolution" (1990)





Inaugurando uma nova sessão no Arquivo Metal CWB - "Clássicos Revisitados", onde comentarei álbuns que fizeram parte do meu constante aprendizado dentro do universo Rock / Heavy desde que abracei este gênero como parte fundamental da minha vida.


Agradeço desde já as possíveis visualizações, opiniões e sugestões dos leitores / assinantes para que enviem referências de bandas ou discos que também sejam considerados "imortais" por vocês!


O álbum escolhido inicialmente para inaugurar foi nostalgia pura. Vasculhando minha coleção particular, escolhi o mesmo e coloquei no player - aos primeiros acordes, as lembranças de peripécias no Skate (Jardim Ambiental - old good times!), mini-basquete entre outras simples diversões no longínquo ano de 1994; dentre as quais escutar Suicidal Tendencies,  me levaram a escrever estas linhas.


Aos primeiros acordes do hino "You Can't Bring Me Down", é perceptível que estamos diante de um disco fabuloso. Refrão, solos, bases e a voz inconfundível de Mike Muir fizeram desta música um verdadeiro épico. Em todas as faixas - sem exceção, chegamos a conclusão de que "baixou" o espírito do Mestre Jimi Hendrix no guitarrista Rocky George, tal o feeling e técnica apurada que emanam das melodias e solos executados. Na sequência, a sensacional "Lost Again"; com um riff de guitarra pesadaço, linhas de baixo pulsantes do inigualável Robert Trujillo e da-lhe aula de guitarra solo com RG. 


Logo após, uma sucessão de composições maravilhosas e que mantém o nível do álbum: "Alone, "Lovely", "Give It Revolution" (outro hino, refrão para cantar junto) e "Get Whacked (em todas, louve-se também as bases e backing vocals sempre precisos do guitarrista Mike Clark e o trampo corretíssimo do baterista R. J. Herrera).


Agora, o que acontece na fabulosa "Send Me Your Money" é brincadeira. Aula de técnica, improviso e talento puro de Robert Trujillo; onde arpejos, free-hands, slaps e outros malabarismos são feitos como se fossem a coisa mais simples do mundo. E o baterista Herrera acompanha o baixista citado no mesmo patamar!



A trinca final, com "Emotion No. 13" (mais um refrão soberbo e melodias de guitarra sensacionais), "Disco's Out, Murder's In (essa é para bater cabeça e distribuir pontapés em quem estiver pela frente! - Thrash / Crossover como manda a cartilha!) e fechando de forma perfeita com "Go'n Breakdown (essa, bem na linha do Anthrax do álbum "State Of Euphoria) finalizam um disco irrepreensível, vide a soberba produção de Mark Dodson; com masterização e mixagem sob medida.

Uma obra atemporal, altamente recomendado!

http://www.youtube.com/watch?v=nxcJW6bs5os

Nenhum comentário:

Postar um comentário