21 de dez de 2010

Review: Noite de Thrash e Grind no Reinventing Hate 6

Por Adriano Hohmann 


Numa rara tarde ensolarada de CWB um público de headbangers compareu na matinê do Blood para curtir cinco bandas de thrash e grind. Estavam programadas seis bandas, entretanto Buried Yesterday, não compareceu.

O local carece de uma exaustão de ar melhor, por isso o calor era ainda maior, mas logo se dissipava com uma cerveja gelada.


No set de bandas a primeira que tocou foi Solid que infelizmente não pude conferir, entretanto os comentários foram positivos para a banda de abertura da pancadaria nos ouvidos.


A segunda banda a subir no palco foi Necropsya. Com uma pegada forte o power trio esquentou ainda mais o já escaldante Blood. Sempre é bom ver bandas com músicas próprias e bem tocadas. Com toda a certeza o ponto forte deles é o entrosamento, demonstrando que ensaios e tempo de banda fazem muita diferença.


Na sequência los Diableros entraram para trazer um cover de uma das melhores bandas de grind core, Brujeria. Ao entrar já deu para perceber como a banda atrai os bangers, pois foi só iniciar os primeiros acordes que logo se formou uma roda e a moçada começou a "ponguear". Infelizmente o som estava todo embrulhado, impedindo a distinção dos instrumentos e do vocal, que por sinal é muito bom e lembra bem el Brujo. Para ajudar a banda teve problemas no cubo de uma das guitarras que estragou no meio da apresentação.


True entrou para dar continuidade as apresentações da matinê que agora já havia entrado na noite. Com um trash rápido manteve a moçada agitando.


Fechando a sessão de bandas entra no palco a Terrorzone. Com uma formação nova a banda fez os poucos que restaram permanecerem atentos ao bom metal malária, como eles mesmos definem o seu estilo. A bateria é matadora e o pedal duplo permanece quase o tempo todo. Como ocorreu um grande atraso para o início das bandas isso prejudicou a Terrozone, pois restaram poucos aficicionados pelo som. Mas quem permaneceu até o final, que foi lá pelas 23h30, não se arrependeu, pois pode escutar e curtir bandas curitibanas com muita responsabilidade no que fazem.

3 comentários:

Anônimo disse...

THRASH....arruma aeeeee...

Guilherme Carvalho disse...

arrumar oq? tá escrito certo.
parabéns pelo texto adriano, estreando aqui no arquivo

robsonmaiocchi disse...

Acho que o anônimo se referiu à essa parte:
"Com um trash rápido manteve a moçada agitando."

Postar um comentário