10 de fev de 2011

Ultra Violent: mais uma prova de que o Paraná não é só Curitiba

“It's a long way to the top if you wanna rock  ́n roll”, certamente não é uma previsão, mas é certo que tal sentença, cantada por Bon Scott, soa como um mantra para quem quer ser parte desse “crazy rock 'n roll circus”. Especialmente, por estarmos falando do mais profundo interior do Brasil, realizar uma apresentação no palco e gravar um álbum são uma verdadeira batalha. No entanto, o Brasil é uma nação que já nos presenteou com muitos ícones da música pesada (Sepultura, RDP, Angra, Krisiun). Enquanto algumas dificuldades aparecem de repente no horizonte, o nosso fundo musical é uma inspiração para o ULTRA VIOLENT permanecer na ativa. Em julho de 2008, a idéia de compor algumas canções e tocá-las ao vivo motivou três músicos a formar a banda. Gui Rocha (V/G) Alexandre Kosteczka (D) Marcos Gavanski (G) compuseram três músicas para tocar em um evento local chamado "Guarapuava Rock City". Uma dessas canções - Greed – foi gravada, com a ajuda de Anderson Sávio (baixista da banda Satisfire), e lançada no perfil do MySpace. A primeira apresentação, no festival acima mencionado, foi além do esperado, mais de 2.000 pessoas estavam na frente do palco. O baixista Alex se juntou a banda naquela noite.

Agora, os quatro são três: após a partida do guitarrista Marcos Gavanski a banda decidiu permanecer como power trio. Mas “A Saga do Baixista" os impediu de ter uma formação consolidada. Arleson Barros assumiu por alguns meses e William "Beavis" Bastos por cerca de um ano. Em 2009, com "Beavis", gravaram mais duas músicas: Eminent e Lay In the Mud. Algumas apresentações ao vivo, na cena local e em algumas cidades, mantiveram o ULTRA VIOLENT em atividade. O final de 2010 foi um momento de um novo baixista, Rudy. Com ele, novas idéias apareceram nas sessões de ensaio, e agora mais duas canções foram gravadas e lançadas: Why Me? Why Not e Drowned In Blood. Além disso, eles decidiram lançar uma compilação dessas 5 músicas que representam a pequena história da banda. O EP virtual será lançado em breve, bem como com um CD físico. É um presente para alguns entusiastas da banda, como seus pais, namoradas e "companheiros de bebedeira", e certamente um narcisismo pessoal desses “não tão” belos rapazes.

Palavras suficientes para descrever o esforço de três caras no meio do nada tentando encontrar o seu momento de “Rock and Roll All Nite and Party Every Day”. ULTRA VIOLENT é: Gui Rocha (G/V), Rudy (B) Alexandre Kosteczka (D).
 
Informações e Contato:
ultraviolentmetal@gmail.com       

2 comentários:

Anônimo disse...

Guarapuava muito bem representada, Ultra Violent e Emdroma duas ótimas bandas, recomendo a todos.

Guilherme Carvalho disse...

bem lembrado!!

Postar um comentário