27 de abr de 2011

Bons tempos: Fornication (parte 2)

Continuando com a matéria especial bons tempos sobre o Death Metal do Fornication, conversei com guitar Gerson. A ultima banda do cara foi o Anmod, mas atualmente, ele e os outros integrantes, estão parados. Confira o papo:

Leia a parte 1 da matéria.

VC - Primeiramente quero agradecer a atenção do Gerson com o Arquivo Metal Cwb. Quero começar perguntando sobre os primeiros passos do Fornication. No começo da década de 1990, eu era "metal fraldinha", conheci o som da banda, ja no começo dessa década de 2000. Quero saber como era a cena metal em Curitiba no começo dos anos 1990? O que era bom e ruim 20 anos atrás?

Gerson: Cara, eu particularmente comecei a me envolver de fato na cena metal mais underground de Curitiba por volta de 1995, ou seja, na metade da década de 90. Foi aí que comecei a conhecer as bandas de metal extremo da época como Infernal, Hecatomb, Iced, Entrails, Necrotério, Imperious Malevolence, e naturalmente fui conhecendo pessoalmente a galera destas bandas. A cena nesta época era mais death metal, até mesmo porque o death metal estava mais em alta, por causa da cena dos EUA e Europa, que fervilhava death metal. O black metal por exemplo era mais underground, tinha o Amen Corner e Murder Rape somente na cidade, e não tinha tantas bandas main-stream, como apareceram nos início dos anos 2000. Acho que o que tornava aquela época melhor era o fato de o acesso às bandas ser mais difícil e se restringir à pessoas que de fato tinha algum contato ou vínculo com a cena underground. O hábito de se comprar CDs em distribuidoras por correio ou em lojas altamente especializadas (leia-se Juke Box!!) se perdeu, hoje você consegue baixar o CD da banda antes mesmo de ser lançado! Naquele tempo, comprar uma fita cassete com capa xerocada da banda era comum nos shows. O ruim de tudo isso era que certas bandas era praticamente impossível você achar material! Não havia nem importado. O jeito era gravar cópias em fita cassete mesmo, eu mesmo tinhas quase umas 500 fitas casseta gravadas.

VC - Como era a relação entre os integrantes da banda? De acordo com as dificuldades de divulgação e até de equipamentos, como se comportavam?

Gerson: Sempre nos demos bem, desde a primeira formação até a última, cada um tinha um jeito de levar a banda, cada um tinha um humor diferente, enfim, sempre ocorrem discussões sobre a música, sobre ensaios, sobre horários, coisas normais de uma banda. Mas nunca brigamos feio, levando para o lado pessoal. O lance de divulgação era sempre foda, pois era na unha, por flyer, via carta, não tínha internet na época, pelo menos até o início dos anos 2000, era difícil o acesso a internet. Equipamentos também era uma dificuldade, nunca tivemos grandes equipamentos, aliás até hoje, só tenho minha guitarra e um amplificador de 15W. A gente sempre alugava estudio, não investia muito em equipamento próprio.

VC - Depois do Fornication, vocês formaram o Anmod, certo? Que basicamente, seguiram os mesmo passos. Por que não deram continuidade, o que rolou para esse pausa?

Gerson: Eu, o Hernan e o Johnny decidimos sair do Fornication, foi por isso que não continuamos com a banda. Somente o Elcio (vocal) continuou com o Fornication. Musicalmente não estava mais dando certo. Claro que sempre tem outros problemas além da música, mas isso é relevante somente para nós da banda.

VC - Como você vê a cena metal hoje, em Curitiba? Ja te encontrei em alguns eventos na noite e estou curioso para saber sua opinião. Você consegue eleger alguma banda, que tem potencial para "bombar"?

Gerson: Cara, quando você para de tocar, acaba perdendo um pouco de contato com a cena atual. Eu conheço os velhos de guerra, como Necrotério, Imperiuos Malevolence, Eternal Sorrow, que sei que estão na ativa. Tem o Offal também, com o Andre nos vocais, esse cara é velho de guerra na cena, aliás ele é mais conhecido na cenal com o Lymphatic Phlegm do que com o Offal! Mas o Offal está arrebentando com tudo, com seu death metal old school. Acho que foi a banda nova que mais está se destacando nos últimos anos na cena extrema. Eu também gosto do FukkMaker, com quem tocamos juntos. Das bandas mais novas, realmente estou por fora, ou de repente, acabou não me chamando a atenção para eu lembrar aqui.

VC - Quero agradecer mais uma vez a atenção, deixe um recado para nosso publico.

Gerson: Obrigado pela oportunidade Vitor e sucesso ao site. Recado ao público.... apoiem o Arquivo Metal CWB!!!!

Bom malarias, espero que tenha ajudado e divulgado mais sobre nossa cena metal. Deixo espaço aberto para nosso leitores opinarem e sugerirem outras bandas para continuarmos com essa sessão.

2 comentários:

Guilherme Carvalho disse...

show de bola.

Gabriel Metal disse...

muito boa essas matérias, muito legar ler sobre bandas "velhas de guerras" hehehe

Postar um comentário