9 de mai de 2011

Review: Matanza – “Curitiba é o lugar mais quente do Brasil”

Sábado a noite, Pantera (Rejection) cover e Matanza, literalmente esquentaram a noite no Hangar Bar. Já perdi as contas de quantas vezes vi as duas bandas, mas essa foi a melhor de todas. Por volta das 22:20 horas, Rejection iniciam os trabalhos, pelo horario algo bem atípico para o Hangar. Pantera cover tocou cerca de 1h, e como sempre tudo perfeito, a banda esta cada vez melhor. Volto a destacar o batera Krug, é “bunito” ver o cara tocar. A casa já estava cheia, mais ficaria muito mais no show do Matanza. O setlist dos caras não deixou ninguém parado.

Setlist:

Walk
I’m Broken
5 Minutes Alone
Domination
Slaughtered
This Love
Strength Beyond Strength
Mouth for War
Cowboys from Hell

Por volta da meia noite, para delírio do público, Matanza sobe ao palco. Sinceramente, nunca vi o Hangar cheio como nessa noite, tinha mais de 700 pessoas na pista, fora os que preferiram o bar. Aposto que na tarde de domingo repetiram o publico, (mas eu nem quis me arriscar). A banda esta com álbum novo, intitulado “Odiosa Natureza Humana” e além de todas outras músicas tocaram algumas desse novo álbum, foram mais de 2 horas de show. Um exemplo que resume bem o que foi essa noite, na terceira música - “Meio Psicopata” - vocal Jimmy já tirou a camiseta e mais uma vez soltou a frase dos shows passados: “Curitiba é o lugar mais quente do Brasil”. E realmente, estava quente, muito quente, gelo virava água. Mas o calor não impediu ninguém de curtir o show, o publico fazia coro em músicas como "Clube dos canalhas", "Bom é quando faz mal", "Eu não gosto de ninguém" e "Estamos todos bêbados". E a banda também, parecia animada, pois fizeram altas “dobradinhas”, ou então era pra acabar logo o show. Foi animal, mais uma vez!

Setlist

Intro
Remédios demais
Ressaca sem fim
Meio psicopata
Rio de Whisky
Ela não me perdoou / Bebe, arrota e peida
Bom é quando faz mal
Arte do insulto
Santa Madre Cassino
Melhor sem você
Tombstone city
Tudo errado
Eu não gosto de ninguém
Todo ódio da vingança de Jack Buffalo Head
Whisky para um condenado
Em respeito ao vício
Interceptor V-6
Carvão, enxofre e salitre
Santânico (parte 1)
O Chamado do bar
Home of the blues
Straight a's in love
Odiosa natureza humana
Tempo ruim
Pé na porta, soco na cara
Clube dos canalhas
Imbecil
Maldito hippie sujo
Conforme disseram as Vozes
Ela roubou meu caminhão
Não bebo mais
Estamos todos bêbados
Santânico (parte 2)

Nenhum comentário:

Postar um comentário