10 de jun de 2013

Review: André Matos (Music Hall - 08/06/2013)

Vinte anos se passaram desde que o Angra lançou o álbum que é considerado um dos pilares do Melodic Power Metal brasileiro e, porque não, mundial: Angels Cry. E como comemoração dessa data especial, o frontman da banda no referido álbum, André Matos, está realizando uma tour pelo Brasil onde ele e sua banda solo tocam o clássico álbum na íntegra. O show em Curitiba foi realizado no último sábado, 08/06, e fez com que os fãs saíssem do Music Hall mais do que satisfeitos.

Programado para abrir as portas do local às 19h, as mesmas foram abertas 20 minutos mais tarde. Cerca de 1 hora depois sobe ao palco a banda paulista KING OF BONES. Formada por Júlio Federici (vocal), Rene Matela (guitarra), Rafael Vitor (baixo) e Renato Nassif (bateria), a banda possui uma sonoridade que varia do Hard Rock ao Heavy Metal com muita competência. No repertório de 8 músicas, tocadas em cerca de 45 minutos de show, os caras conseguiram chamar a atenção do público presente com suas ótimas músicas (incluindo até um ótimo Blues Rock em "A New Day") e instrumentistas de grande qualidade, destaque para o guitarrista e o vocalista (me lembrou um pouco o Edu Falaschi nos bons tempos). Em suma, ótimo show dos paulistas que agradeceram a oportunidade de tocar em Curitiba pela primeira vez.

Por volta das 21:30h é a vez da curitibana FIRE SHADOW fazer sua apresentação. Já conhecido pela maior parte do público curitibano, principalmente por abrir vários shows de bandas por aqui, o quinteto capitaneado pelo ótimo vocalista Marco Lacerda fez mais um show sólido e competente, tocando o repertório do 1º álbum, o single "Steel and Metal", bem como 2 músicas novas do próximo EP da banda, que será lançado no segundo semestre desse ano. Com direito a distribuição de chocolates Bib's pra galera (isso mesmo, a marca de doces está patrocinando a banda), os caras mostraram a mesma interação com o público de sempre, mandando com muita competência o seu tradicional Heavy/Power Metal em um set de 8 músicas em pouco mais de 40 minutos.
Após quase 1 hora de espera e muita ansiedade do público presente, eis que surge um a um os integrantes da banda de André Matos: Rodrigo Silveira (bateria), Bruno Ladislau (baixo), Hugo Mariutti (guitarra), André Hernandes (guitarra) e por último o frontman André Matos. Como já havia sido programado, a primeira parte do show foi composta por músicas da carreira de André no geral, com ênfase no último trabalho de estúdio, "The Turn of the Lights", lançado em 2012. Abrindo com "Liberty", música do referido álbum, André já mostra boa forma, demonstrando que o tempo não prejudicou sua performance vocal. "I Will Return" do álbum Mentalize (2009), "Course of Life" do último álbum e "Rio" do Time To Be Free (2007) foram as próximas - todas cantadas e acompanhadas com entusiasmo pelo público - mostrando que a carreira solo de André tem um bom prestígio entre os fãs. A faixa título do mais recente álbum foi a próxima, logo emendando com a Power Ballad "Fairy Tale" do Shaman, cantada em uníssono pela galera. Nessa música senti a falta do teclado, uma vez que a banda não trouxe o instrumento e as partes onde ele seria usado foi usada uma gravação. "Stop!", mais uma do disco novo, foi tocada, seguida de "Lisbon" do Angra, também cantada pela platéia. Um destaque importante do show foi o guitarrista André Hernandes que executou a maioria dos solos, uma vez que Hugo se concentrou mais na base. Após um ótimo solo do baterista Rodrigo Silveira, mais um som do álbum novo, "On Your Own" antes de fechar a primeira parte com a clássica "Living For the Night" do Viper, também cantada pela galera, com a já tradicional apresentação dos integrantes da banda. Fim da primeira parte, 10 músicas em pouco mais de 1 hora de show.
A banda se retira do palco enquanto fica tocando uma orquestração. Dez minutos depois os integrantes vão retornando ao palco ao som de "Unfinished Allegro". É o anúncio que vem aí "Carry On", um dos principais hinos do Power Metal e o álbum Angels Cry enfim seria tocado. Inicia-se o segundo ato do show. E como já era esperado, todas as músicas foram entoadas pelo público, mostrando toda a magia e a importância de Angels Cry. "Time", a faixa título, a melódica "Stand Away" e a brasileiríssima "Never Understand" foram tocadas na sequência, respeitando o set original do álbum, com um André Matos cantando melhor a cada música. Nessa parte do show, Hugo mostrou mais sua técnica, uma vez que as músicas do Angra exigem muito das 2 guitarras. E por falar em guitarra, segue o show com André Hernandes mandando um ótimo solo, seguido de uma pequena "homenagem" ao Slayer com o riff inicial de "Black Magic" tocado por Hugo Mariutti antes de iniciar, talvez, a parte mais interessante do show (pelo menos pra mim), que foi a execução de "Wuthering Heights", cover de Kate Bush, música que exige muito do trabalho vocal, especialmente quanto aos tons mais agudos. Confesso que achava que André iria jogar mais pra galera nessa faixa, mas surpreendentemente o cara mandou muito bem na música, cantando com maestria praticamente todas as partes da mesma, mostrando porque é uma das vózes do Power Metal mundial. Com o show caminhando para o seu final, "Streets of Tomorrow" e "Evil Warning" mantiveram o ótimo nível da apresentação, até a despedida com "Lasting Child", onde a primeira parte - "The Parting Words" foi tocada pela banda, enquanto a segunda - "Renaissance" era tocada em gravação enquanto a banda se despedia do público (por volta da 01:35h) em meio aos aplausos. Fim de um grande show.
Saldo da apresentação foi mais do que positivo: praticamente 2 horas e meia de apresentação (4 horas se somarmos o tempo de todos os shows), um grande álbum clássico tocado na íntegra, 2 bandas de abertura muito boas e o melhor de tudo: apresentação 100% nacional e de ótima qualidade. O público compareceu em um número razoável, não chegou a encher o Music Hall, mas não foi de todo ruim. Enfim, que venham mais shows como esse... Curitiba agradece!

Agradecimento especial ao Makila Crowley por gentilmente ceder as fotos para ilustrar o review.

6 comentários:

Lucca Schmidt Feula disse...

Quantas pessoas tinham lá?
Umas 1000?

Anônimo disse...

Bela resenha Jean, mandou bem, parabéns.

Abraço

Snow

Anônimo disse...

otimo show eu estive presente,excelente show do mestre andré matos!!!!

Jean Fermino disse...

Lucca, não sou muito bom em noção de espaço, mas creio que devia ter umas 500, 600 pessoas (chute)... e obrigado Snow pelo apoio!

Priscila Duarte disse...

Uhul! Jean, mandou benzaço na resenha. Eu que não fui pude sentir a emoção do show! E, olha que não sou tão fã assim do André Mattos, mas do Angra como um todo! Que venham shows que sejam recepcionados decentemente em Curitiba e que nossa galera underground se mobilize mais para valorizar músicas de qualidade nacional. Temos bandas muito boas inclusive em Curitiba que não estão sendo valorizadas como deveriam e isso é uma perda muito grande para aqueles que de fato apreciam a boa música! :)

Guilherme Carvalho disse...

Bacana Jean. Estrando em grande estilo no Arquivo Metal CWB.

Postar um comentário