23 de jul de 2013

DEAD SHALL RISE VII - CWB 19/07/2013


Mais uma edição deste festival já tradicional em Curitiba, que privilegia as vertentes mais extremas do Heavy Metal. O cast desta vez 100% nacional; com as bandas Carrasco (Rio Negrinho - SC), Fleshgrinder (Joinville - SC), a lenda local Necrotério e seguramente a banda brasileira de maior status atualmente - os gaúchos do Krisiun.

Certeza absoluta de que estaríamos diante de um evento para ficar na memória; afinal, Necrotério não tocava ao vivo há quase 3 anos - a expectativa era imensa para conferir novamente estes batalhadores do underground curitibano.

Sem atrasos e de acordo com o especificado nos flyers e cartazes, eram 21:50 quando o Carrasco abriu os trabalhos da noite. Infelizmente, por motivos trabalhistas, não presenciei sua apresentação - mas relatos de camaradas que já estavam no interior da casa, fora uma apresentação correta em sua proposta Death Metal "Old School" e serviu como ligeiro aquecimento para a noite fria que fazia na capital.

Após um rápido intervalo, a já veterana banda Flesh Grinder destilou seu Splatter Gore Death Metal; com nítidas influências de Carcass do clássico álbum "Reek Of Putrefaction". Em pouco mais de meia-hora, deram seu recado e as primeiras "rodas" começaram no evento, ainda de forma tímida.

Sem maiores delongas, chegava o momento de presenciar novamente um dos orgulhos da cena Death Metal brasileira: Necrotério! Os irmãos Marcos "Sabugo" Lima e Emerson Lima, com o novo baixista que não me recordo o nome agora e o homem-lenda Ulisses "Mano" (Hecatombe, Imperious Malevolence) nos vocais, foram os responsáveis por um dos melhores shows que tive o privilégio de assistir desta banda.

Excelente performance de palco geral, ao som de hinos da podreira, tais como: "Gory Days", "Painful Defecation"," Dying Inside Of Death", "Human Execution" e ainda somos presenteados com versões matadoras de Terrorizer e Brujeria. O público respondeu com intenso banging e muitas rodas se abriram durante a apresentação. Destaco também a humildade e profissionalismo da banda, digna de reverência. Voto que esta formação trabalhe em composições para um novo álbum - nossos ouvidos / cabeças agradecem! 

Um razoável intervalo seguiu até que os roadies fizessem a troca de equipamentos e ajustes sonoros. Tempo para comprar bebidas, respirar um oxigênio diferenciado e conferir a mesa de merchandising  Eram aproximadamente 1:00 quando o Krisiun saldou o público presente (aliás, um bom público compareceu para prestigiar o evento) os primeiros acordes da fenomenal "Vicious Wrath" explodiram nos PA's. Tive o prazer de conferir um antológico show da banda no Circus Bar em 1998 e surpreende cada vez mais a evolução técnica e a velocidade que esses caras passam nas composições atualmente. É, sem dúvidas, um dos maiores nomes do Death Metal mundial! Pedradas como "Descending Abomination", "Kings Of Killing" e o inferno emergindo com "Black Force Domain", garantem um saudável torcicolo por alguns dias - mas a satisfação de ver ao vivo uma aula como essa, fica na memória por longo tempo... Ainda tivemos uma grata surpresa com "No Class"; do bom e velho Motörhead, tocada com muito feeling.


Parabenizo a Damar Productions (Hamilcar "Bin" Zaim) pela iniciativa de promover não apenas este, mas outros eventos / festivais voltados ao Metal Extremo, a pontualidade com a qual ocorreram as apresentações e pela organização total do espetáculo. Aguardemos a oitava edição!

2 comentários:

Fernando Almeida disse...

Gosto quando as pessoas acertam o nome da cidade. RIO NEGRINHO PORRA

Juliano Bertelli disse...

Corrigido o nome; fato ocorrido na pressa de publicar a matéria (uma vez que todos aqui tem seus empregos triviais, falhas acontecem).

Postar um comentário