12 de set de 2014

Review de show: Cavalera Conspiracy (Music Hall - 10/09/2014)

Na última quarta feira (10/09) tivemos um show histórico no Music Hall: a volta dos irmãos Max e Iggor Cavalera juntos em Curitiba, coisa que não acontecia desde a época do Sepultura, agora no projeto CAVALERA CONSPIRACY. Muita gente esperava por muito tempo um show da banda (que havia sido marcado e posteriormente cancelado em 2012), principalmente por Max, que há muito tempo não pisava em terras paranaenses.

O público compareceu em bom número, não chegou a lotar a casa mas teve boa presença. O calor infernal dentro da casa (não muito normal pra essa época do ano) só fez aumentar a expectativa dos presentes, que explodiu por volta das 22:15h com a entrada de Iggor e depois do "mendigo" Max. O Cavalera Conspiracy é ainda formado por Marc Rizzo (guitarra) e Tony Campos (baixo) - esse último, que toca com Max no Soulfly, não é membro oficial mas está participando dessa tour.

Começaram o show já levantando a galera com 3 pedradas, a faixa de abertura do debut do CC, "Inflikted", além de "Warlord" e "Torture", do segundo álbum, "Blunt Force Trauma". Na sequência começaram a "surrar" a plateia com os clássicos imortais do Sepultura, começando com o medley de "Beneath the Remains", "Desperate Cry" e "Troops of Doom". E o repertório do Sepa foi mesmo o carro chefe da apresentação, que também contou com "Wasting Away", música do Nailbomb, outro projeto de Max, ainda da sua época de Sepultura, além de outros ótimos sons do CC, como "Sanctuary", "The Doom of All Fires" e "Killing Inside".

Ao longo da apresentação algumas coisas ficaram evidentes. Uma que Max não é nem sombra daquele do início dos anos 90 com o Sepultura no auge. Nem tanto no que tange a performance vocal, aliás nesse quesito ele continua bem, mas na postura de palco. Se mexendo pouco e acrescentando quase nada como guitarrista (mal acompanhava Marc Rizzo), ele meio que ficou devendo quanto a isso. Quem acompanha com mais afinco os shows dele, seja no Soulfly ou no próprio CC, relata que já há algum tempo ele está assim. O lado bom é que o cara parecia bastante empolgado em voltar a tocar no Brasil. A todo momento instigava a galera a "se matar" na rodas, mandando ver nos palavrões e não demonstrando desgaste durante a apresentação, o cara mostrou carisma. Volta e meia dava banho de água na galera - que sofria por causa do calor.
Já o irmão Iggor, se não foi um exemplo de carisma no palco, tratou de fazer uma apresentação sólida, mostrando ainda estar na ponta dos cascos. Marc Rizzo é um dos melhores guitarristas do Metal moderno e segurou a apresentação com muita competência, bem como o compatriota Tony Campos.

Um destaque legal do show foi que eles tocaram 2 músicas novas que estarão no terceiro álbum do CC - Pandemonium, que será lançado ainda nesse ano. "Babylonian Pandemonium" (cujo refrão foi cantado pelo público a pedido de Max) e "Bonzai Kamikaze" se mostraram boas músicas e trazem expectativa de mais um bom lançamento da banda por aí.

Outros 2 destaques foram a presença do enteado de Max, Richie (filho de Gloria, esposa de Max) fazendo os vocais em "Black Ark" (berra bem o rapaz!) e a trinca final que fechou a apresentação, só clássico: "Inner Self", "Attitude" e, após uma breve pausa e a primeira parte de "Orgasmatron" do Motörhead, "Roots Bloody 'fuckin' Roots" pra lavar a alma. Praticamente 1 hora e meia de um show que passou voando, poderiam tocar mais 2 horas que tava ótimo;)

É o Sepultura clássico? Não. O Max tá zoadão? Tá. Valeu a pena? Muito. Que me desculpem os fãs do Sepultura atual, mas ouvir as músicas da banda com os irmãos Cavalera é outra coisa.

Setlist:

        Inflikted
        Warlord
        Torture
        Beneath The Remains/ Desperate Cry/Troops of Doom (Sepultura cover)
        Sanctuary
        Terrorize
        The Doom Of All Fires
        Wasting Away (Nailbomb cover)
        Babylonian Pandemonium
        Arise / Dead Embryonic Cells (Sepultura cover)
        Killing Inside
        Refuse/Resist (Sepultura cover)
        Territory (Sepultura cover)
        Black Ark
        Bonzai Kamikaze
        Inner Self (Sepultura cover)
        Attitude (Sepultura cover)
        Orgasmatron (Motörhead cover)
        Roots Bloody Roots (Sepultura cover)

Fotos: Makila Crowley

Um comentário:

Anônimo disse...

Mais uma bela resenha Jean.

Ettine ♫.

Postar um comentário